De resistências e frescuras

22ago07

não sou eu

Algumas merdas que acontecem são boas para pensarmos um pouquinho.

Neste domigo, enquanto caía a noite, fazia frio lá fora, os gatos dormiam ou comiam, a tevê anunciava felicidades e tragédias em intervalos de segundos, já começava a bater aquela tristeza do amanhã-já-é-segunda, eu me arrependia de não ter feito nada da faculdade, neste domingo descobri que não haveria banho quente. Sim, a resistência não havia resistido o suficiente e queimou.

Pior é que não daria para adiar o banho, pois na manhã seguinte a água iria continuar gelada e, se eu acordasse atrasado para o trabalho – fato bem constante -, me atrasaria ainda mais com um banho frio. Uma fria.

[reminiscências – apagam-se as luzes, foco no protagonista:]

Isso acontecia bastante quando eu era (?) criança. Minha mãe esquentava água na panela e despejava num balde, completando com água fria. A mim cabia me virar com o sabão e a água, dosando bem para que o segundo não acabasse antes que o primeiro.

[fim das reminiscências – acaba-se a fumaça, acendem-se as luzes, abre a imagem]

Hoje, 19 anos nas costas, minha mãe:

– Esquenta água, filho.

– Não, vou tomar gelado mesmo. Sou macho.

Na hora do vamover é que foi o bicho. Comecei a respirar forte, para esquentar o corpo, o coração disparou – meio de propósito, meio de cagaço -, e caí para dentro dágua. Foram os dez minutos mais estrevolísticos* do dia. E os mais reflexivos.

Bilhões de pessoas passam por situações piores e eu amaldiçoando tudo e todos só porque não tenho água quente para me lavar. Do que eu posso reclamar? Tudo bem, minha vida não são as mil maravilhas, não são poucas as dificuldades por que passo. Mas também não estava combinado que seria fácil.

E sei que não sou o único que reclama de futilidades. Não preciso nem dar exemplos, todos são assim, mesquinhos. Dia desses um li um livro que citava uma frase de um cara conhecido, esqueci quem era. A frase era mais ou menos assim: “O mundo só vai ser melhor quando o homem se indignar mais com uma injustiça do que com um calo no pé”.

Só sei que me senti um lixo, um bosta total. Da próxima vez, pensarei melhor nessas coisas.

Mas hoje eu quero banho quente!

*Fui obrigado a inventar essa palavra. A Língua Portuguesa me foi inservível.

Anúncios


5 Responses to “De resistências e frescuras”

  1. Olha! Olha! Tem fotinha minha aqui do lado!
    Tô chique, benhê! rs

    Gostei do ar teatral do post!
    Qnt ao tema… Não sei. Complicado… Se valer de quem passa por mais dificuldade do que nós, é injusto, pois eles se esforçam tanto quanto nós nos esforçamos para continuar “melhores” do q eles. Ao mesmo tempo, temos que dar valor ao que temos, já que temos algo e não apenas o nada.
    Mas eu adorei a foto que vc escolheu, adorei como levou o texto. Afinal, filho de peixe, peixinho é!
    E obrigada por ir prestigiar o blog! 😀 Preciso passar no da tua Turma. E trate te linkar aqui e indicar para os seus amigos!
    Beijoss!

    Qnd tiver mais tempo, leio o post interior. Fiquei sabendo que está ótimo!
    (e eu preciso aprender como faz para responder os comentários nesse “palavracomprimida.com”)

    O “filho de peixe” foi sacada tua, não tenho nada a ver com isso.

    O blog da nossa Turma tá meio devagar, o pessoal é preguiçoso, sabe? Tem o de cinema também, procura visitar.

    Logo o texto anterior, que é sério, o povo não comenta. Assim não dá!

    E comentar o comentário por aqui é muito fácil, não acredito que você ainda não aprendeu

  2. Ah! O blog é diário. Mas cada dia da semana é uma pessoa diferente que escreve. Ou seja, eu escrevo lá uma vez por semana. Não é tão escravo assim…

    O que eu tenho com uns amigos também era pra ser assim, cada um postando uma vez por semana. Não deu certo, neguinho nunca postou, outra odeia blog. Eu também tinha que postar uma vez por semana no Sonhos Póstumos, desandei. Nem no meu sou tão constante como queria

  3. Nossas futilidades diárias é que rendem posts engraçados! 😛

    É tudo uma merda mesmo.

  4. Espero que o banho quente tenha chegado. hehehehehe. Talvez essa seja a solução para o fim das futilidades.

    Voltei a ser macho, agora tem banho quente.

    Só que eu não tenho mais desculpa pra dar.

  5. O melhor é pensar pelo lado ecologico, sem o banho quente vc economizou energia, e se tivesse ficado sem o banho teria economizado água e pele, afinal banho gasta a pele. Da próxims fica sem o banho.

    Qual utilidade do banho além do cheiro? Coloca um poquinho de talco, daquele que mamãe colocava no bumbum quando criança e problema resolvido, agora é só ir para o trampo.

    É mesmo, parece que essa é a desculpa que sua mãe ouve, né?

    Infelizmente ainda não tenho a real diemnsão dos benefícios do talco.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: