Entre (maus) Lençóis

07dez08

Como fazer cinema tipo exportação

Estreou neste final de semana com muita badalação o filme Entre Lençóis, do diretor colombiano Gustavo Nieto Roa.

Resumindo, o filme trata de dois desconhecidos, interpretados pelos conhecidíssimos Reynaldo Gianecchini e Paola Oliveira, que se conhecem em uma festa e dividem um quarto de motel. O resto da história já dá para conhecer.

Não vi e não gostei, mas esse é o menor dos problemas. É que eu sou um chato mesmo. O problema é que a história é muito mais estranha que essa. Não estou falando do roteiro em si, assinado pelo brasileiro Renê Belmonte, mas de como ele foi abortado concebido.

Fiquei sabendo desse filme tem uma semana, por intermédio da colega Mariana Jansen. Ela me disse mais ou menos assim:

– Tô curiosa para ver esse entre lençóis. Ele parece bastante o filme Na Cama, do Chile, que eu vi uns tempos atrás, Magnânimo (é assim que as pessoas costumam me tratar).

Acabei ficando curioso também (falta do que fazer, entende?), e solicitei à cara amiga os trêileres para fazer a devida verificação. Não é possível, pensei, que um filme brasileiro, por pior que seja, possa copiar um filme, e chileno, deus do céu!

Mas as descobertas foram mais profundas. Primeiro, o trailer do filme brasileiro:

Atraente, não? Ok, agora o chileno En La Cama, de 2005:

Sim, parecido… Mas tem mais:

Na apresentação no filme, quem postou escreve: “Vea el tráiler de esta película chilena que posee gran similitud con la colombiana ‘Entre Sábanas'”.

Agora, claro, o trailer de Entre Sábanas, que estreou na Colômbia em maio deste ano (sem som, a porcaria):

Muito mais parecido com o brasileiro. Até as rosas, não?

A semelhança entre Entre Sábanas e Entre Lençóis é evidente. O diretor das películas é Gustavo Nieto Roa, e a história do filme é exatamente a mesma.

Porém, não há ninguém em comum entre esses dois filmes e o chileno En La Cama. E agora, com essa estréia do filme brasileiro, o produtor do filme chileno, Adrián Solar, já se refere ao diretor colombiano como um plagiador, como noticiado aqui, aqui e em outros sites e blogs. Ao Jornal do Brasil, o produtor diz:

– Há algumas semanas recebemos do Conselho Nacional de Cultura e de Arte uma cópia em DVD de Entre sábanas. Depois de assisti-las concluímos que se tratava, sim, de uma imitação muito ruim de Na cama.

O diretor colombiano se defende dizendo que “a abordagem, os conflitos das história, as soluções criadas para eles e a dramaturgia” são totalmente diferentes do filme chileno, e que sua idéia era bem mais antiga, mas isso importa pouco.

Será que todas as histórias já foram mesmo contadas, ou isso é conversa de gente sem criatividade? Gosto muito quando tem refilmagens de clássicos antigos, filmes baseados em outros, baseados em livros, quadrinhos, etc. Exemplos não faltam. Mas, usando uma frase feita, tudo tem limite.

É mesmo necessário três filmes, em três países do mesmo continente, contando a mesma história? Mesmo que fosse coincidência, quando isso acontece em outros lugares?

E o diretor Roa ainda diz: “Já temos um co-produtor americano. Nesse momento, estamos procurando um elenco de primeira categoria para o projeto, como Antonio Banderas e Penelope Cruz. As negociações com os agentes deles já começaram”.

Ou seja, mais do mesmo, nos melhores cinemas da sua região.

P.S.: Os filmes também lembram um pouco o Incuráveis, de 2006, esse sim, ótimo. Mas vamos parar por aqui.

Anúncios


2 Responses to “Entre (maus) Lençóis”

  1. Ah, sabia que você ia ser um bom garoto e me obedecer.
    E você fez muito mais jus ao assunto do que eu. O texto que eu fiz ficou terrivelmente sem graça.

    Lógico, que, distorção dos fatos, mas você é jornalista, então…normal. Tipo, eu joguei os trailers na sua cara, você não pediu nada, e me empurrou pra escrever o texto o tempo inteiro, mas tudo bem.

    Semana que vem eu vou ver o Entre Lençóis e ficar p da vida, por que a chande de ter destruído o En La Cama é de 99,9%.

    “Ah, sabia que você ia ser um bom garoto e me obedecer”. E eu é que distorço os fatos.

    Distorço mesmo! É que esse não é um blogue jornalístico, a minha mente é que manda por aqui.

    Além do mais, foi a minha versão – como o filme do diretor colombiano…

    Ia até te desejar um bom filme, mas um ‘boa sorte’ é mais apropriado.

  2. fui ver hoje.

    é bem bomzinho, mesmo se fosse ruim, por mim, vale pelo giannechini.

    Mas é meio fraquinho em relação a história, e tal…

    É bem bomzinho, mas é meio fraquinho.

    Tá bom, então.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: