A moça que escrevia

21set09

Tinha 25 anos e, desde adolescente, tinha uma estranha mania. quando tinha dúvidas de algo que acontecia em sua vida, pegava um caderno velho e escrevia o que tinha se passado. Na maioria das vezes, esticava essas narrativas até o dia seguinte, para reforçar as atitudes que fatalmente iria tomar. O método nunca falhava: tudo acontecia como previsto e escrito.

Geralmente eram coisas triviais, como aos 17 anos, quando, no aniversário de uma grande amiga, deixou escapar uma confidência amorosa da garota – na frente do rapaz desejado. Só quando chegou em casa percebeu que algo estranho havia acontecido. Escreveu, escreveu, e descobriu o que tinha feito. “No outro dia, desculpou-se com a amiga, levando um segundo presente de aniversário”. Escrito e feito. Ou aos 22, quando decidiu, com a ajuda de tinta e papel, passar as férias em Fortaleza, apenas com a mochila como companheira.

Apesar desse hábito – talvez por causa dele -, sempre levou uma vida razoavelmente normal. Até aquele dia, aos 25. Acordada de um pesadelo, que mal conseguia lembrar, sentiu a necessidade de ir mais fundo na própria vida: estava disposta a escrever, ano a ano, os acontecimentos mais marcantes de sua existência. Compilaria em fartas páginas as mais fortes lembranças, desde as grandes glórias aos retumbantes fracassos. Não esconderia nada, mesmo o que evitara escrever antes.

Começou em casa, à noite. Viu que naquele ritmo não conseguiria dar conta, e passou a levar o caderno para o trabalho. Já não se concentrava mais no escritório, e pediu demissão para seguir seu objetivo. Parou de sair. Terminou com o namorado, que até desconfiava de outro homem na jogada. Parou de atender os telefonemas das amigas. Deixou de entrar na internet.

Depois, decidiu parar de comer. Viva só para o que viveu. Envelhecia à frente de quem a visse, se tivessem a visitado. Envelhecia a cada linha. Com caneta na mão e papéis em branco, lembrava de tudo, mas esqueceu todo o resto.

Até que chegou ao presente. Tomou consciência de si. Mas já era tarde. E fim.

____________

De volta, de novo. Com um texto de gaveta, esboçado ano passado.

Mais uma novidade: texto Uma vitrola que toca letras, postpagapau pra Talita, do Vinil, feito para a faculdade. Sabe como é, a gente apela quando precisa de nota.

Fora isso, atualizações no flíquer e no tuíter.

Anúncios


4 Responses to “A moça que escrevia”

  1. 1 endtitles

    no começo eu diria que essa moça poderia ser uma grande inspiração aos que querem tomar a atitude de escrever sem esconder nada, sem pudores, escrúpulos ou falsos moralismos…

    porém (tudo tem um porém), não se alimenta a alma apenas falando dela e tão-somente regredindo o que já se passou. triste fim para aqueles que se tocam tarde demais!

    bonito texto!
    voltou com classe!

    beijos

    Ná e suas interpretações pertinentes =]

  2. curti o texto

    eu joguei ha um mes todos meus diarios, desde 2001 fora.
    8 anos de literatura diaria, hehe

    me fez um bem…..

    Vai se arrepender…

  3. Dooorei! Achei engraçado a pausa dramática, deixando por último no parágrafo, “deixou de entrar na internet”. não qria q isso fosse tão importante em nossas vidas, mas a cada dia, toma um espaço maior…haha mas o texto nos leva a maré contrária, não exagerar no mundo virtual e viver a realidade! é isso aeeee haha

    Mas quem disse que o virtual não é também o real?
    Só pra te confundir 😛

  4. Márcio, saudações após longo tempo de (in)existência minha na rede.
    Gostei muito do texto, e em meio a textos historiográficos que por vezes me drenam as inspirações, voltou com estilo. 🙂
    Não pense que esqueci do seu livro…

    Pois é, eu também não me esqueci 😛


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: