Archive for março, 2014

Botei meu bloco na rua. Meu sangue quente, minha carne de Carnaval. Meu coração igual. Tomei chuva, me queimou o sol. Eu e a multidão, eu nela, euela, indivisível, orgânico, suor, espuma, confetes. Cores, perucas, todo o arco-íris, que a festa é espaço para tudo acontecer. Um Carnaval do samba, do axé, rock-funk-sertanejo-eletrônico, do que […]